sexta-feira, 13 de abril de 2018

A roda da História

A história sempre se repete, de 30 em 30 anos, um pouco mais , um pouco menos. Em 1960 Janio Quadros foi eleito presidente, renunciou em 1961, com oito meses de governo. Uma grande articulação das elites retrógradas do país tentou impedir que o vice João Goulart assumisse. Em 1989, primeira eleição para presidente depois daquela de 1960, uma articulação das mesmas elites do atraso, impediu que Lula vencesse o pleito. O presidente eleito, Fernando Collor, sofreu impeachment com pouco mais de dois anos de governo. Em 2018, este ano, as mesmas elites anti povo prenderam Lula, candidato favorito para vencer as eleições. Como ocorreu em outros anos, as ações das elites desembocam em mudanças, rupturas. Que mudanças virão? Uma incógnita. No entanto, o campo popular e progressista tem o dever de não esperar o resultado e assumir o controle, direção e acionamento da roda da História.

terça-feira, 20 de março de 2018

O mundo em luta

A execução de Marielle despertou as pessoas, no Brasil e em todo mundo. Despertou para a luta. Uma luta por Direitos. Uma luta contra os valores decorrentes do modelo político e econômico hegemônico no mundo. Uma luta por mudanças e pela consolidação de um outro mundo, justo, sustentável  e principalmente civilizado  .

segunda-feira, 19 de março de 2018

Cresce


CAMPO PROGRESSISTA SE UNE E SE AMPLIA EM TORNO DE MARIELLE

Por Fabio Malini, no Facebook

No Facebook, até, hoje, 17, às 6h, na semana, 92 mil pessoas se dedicaram a compartilhar o post mais viralizado entre os publicados pelos canais que são dedicados a postar também notícias políticas. O conteúdo (http://bit.ly/2pleSf5): um vídeo que resumia os assassinatos de Marielle e Anderson. A página: Quebrando O Tabu. A legenda: “Marielle, presente”. A mesma titulação da segunda publicação mais distribuída da semana: (http://bit.ly/2HHPdVF), partilhada por mais de 82 mil pessoas. Publicado no Mídia Ninja, o post reproduz a charge de Latuff, que foi intensamente espalhada também em outros canais, por outros perfis e em outras plataformas. Latuff não tem página oficial no Facebook. Comunica-se mais intensamente pelo Twitter. Depois, em terceiro lugar, uma notícia que retrata as novas regras para obtenção da carteira de motorista, ironicamente a profissão de Anderson Gomes. A matéria, feita pelo G1, alcançou mais de 60 mil compartilhamentos (http://bit.ly/2HH9zhu). Das dez mais compartilhadas, quatro foram sobre Marielle e Anderson; três sobre as novas regras da prova da CNH; duas sobre a morte de Stephen Hawking e uma mostrando um disparo de jato de água direcionada a um homem que vive nas ruas de São Paulo.

A forte repercussão vitaminou curtidas e compartilhamentos em todas plataformas de redes sociais. E, como é padrão em grandes fatos históricos, atraiu diferentes vertentes ideológicas nas caixas de replies ou comentários. A trolagem é um bomba de efeito moral na internet. Serve para espalhar quem está unido por um fluxo de conversação generosa, criando cortinas de fumaças e provocando polêmicas. Quanto mais o alvo da trolagem se irritar e reagir, melhor resultados serão colhidos por essas gangues virtuais, que acabam assistindo da arquibancada a instabilidade emocional do seu alvo. Apesar da presença desses trolls, os usuários pareciam vacinados. Correu a notícia de printar as trolagens aberrantes e divulgá-las no ambiente de trabalho do ofensor. Ou mesmo ignorá-las. Ou publicizá-la quando a mensagem se caracterizar como racista, misógina ou homofóbico. Sem rabo preso com ninguém, foi fácil para os internautas encontrar links de notícias mostrando a atuação de Marielle na defesa da vida dos favelados e também das famílias de policiais mortos em combate numa guerra que ela sempre denunciou. A verdade de Marielle foi (e vai continuar) bloqueando um a um os boatos, mau-caratismos e proselitismos de todo tipo.

No Twitter, a rede que disseminou o ódio a Marielli representou 7.15% dos conteúdos postados, ou seja, estes foram se auto-fagocitando. Na imagem, são os perfis de cor rosa e representam 26 dos quase 400 mil perfis totais. Todo restante da rede, com pequenas variações contextuais, se aglutinou em torno de um eixo mobilizador: #MariellePresente / #AndersonPresente. Em geral, é comum que ações de rua com alto impacto no Twitter sejam simplificadas em uma hashtag. Foi assim com o #VemPraRua, o #ForaDilma e o #NaoVaiTerGolpe.

O curioso desse grafo é a polissemia das grupos de opinião. Mais uma visualizaçao onde a força da polarização política é fragmentada. Outra coisa, um sinal que já vem se repetindo: o campo progressista tem arrastado os principais veículos de imprensa para dentro de suas conversações. Pelo viés do “ataque à democracia”, os veículos tradicionais emularam o atentado político liberando colunistas e blogueiros para ampliar o coro da indignação popular. Contudo, o ponto de divergência foi rapidamente aberto pelo contaponto midiativista, ecoando a desconfiança acerca das intenções de certos veículos, que, para muitos, estariam, sob o pretexto de apoiar a indignação, reforçando a necessidade de mais intervenção das Forças Armadas no Rio de Janeiro. Lá na frente, a continuar assim, me parece, que a lua de mel vai acabar. Apesar disso, é inegável que o campo progressista está se ampliando ali no Twitter, com muitos novos atores diversificados, predominantemente nas machas lilás e azul claro. Tudo indica que teremos as eleições de maior participação políticas de celebridades artísticas. Esse campo tem crescido ali no Twitter, onde é mais seguro para esse grupo calibrar seus posts e controlar suas audiências. Incrível é que nesse campo há uma forte diversidade do “usuário comum”, sem muitos seguidores, mas com publicações bombadas de modo orgânico (sem NENHUM uso de bots). Efeito colateral dessa teia: passado o momento mais intenso do velório e enterro, o luto virou caça a quem detrata ou detratou Marielle e Anderson. A irradiação nas redes do que já acontece com a desembargadora carioca já é sintoma da forte operação de escracho público levado à cabo pelo grupo.

As manchas verde-escura e laranja já dão uma ideia do impacto internacional do acontecimento, especialmente no idiomas inglês e espanhol. Há de jornalistas e imprensa a movimentos sociais (Black Lives Matter) a (ex)presidentes. E ainda é apenas a fotografia do início da repercussão gringa, uma vez que a coleta foi feita até às 15h, do dia 16, sexta. Ao total, foram 93.587 usuários dessa rede de fora do Brasil, em torno de 25% da base dos perfis.

Muito importante é identificar também os silêncios: Bolsonaro e toda a sua trupe familiar preferiram fazer cara de paisagem (Será por quê?). E os generais tuiteiros, idem.

Sobre bots no Twitter, irrelevantes na história. Mais sistematicamente presentes na rede rosa (mais militaresca) e verde clara (mais petista). Agora é preciso atenção na identificação dos bots. Há muitas metodologias que primam pela ideia de que Bots são usuários que tuitam ou retuitam muito. Devagar com o andor. Neste caso, os dois usuários que mais (re)tuitaram são humanos. E isso tem explicação simples na literatura científica. Em contextos de ativismo e mobilização, é comum que perfis mais mobilizadores funcionem como hubs, ampliando a velocidade de seus retweets para mostrar o apoio de vários grupos e lideranças da sociedade ativos numa conversação.

De qualquer modo, a atuação dessa classe de perfis foi irrelevante comparado ao todo.

Confira as imagens na página de Malini.


Fonte: O CAFEZINHO

Por que não prendem essa porra ?





Por que não prendem essa porra ?

sexta-feira, 16 de março de 2018

MARIELLE FRANCO . PRESENTE

Resultado de imagem para imagem de bico de pena para escrever
E não é que Globo só falta chorar pela morte de Marielle ? Você que assiste essa coisa todos os dias, alguma vez viu imagens e referências positivas à vereadora nos telejornais da emissora? A verdade é que Globo e os defensores do golpe e do fascismo estão assustados com a reação popular que tomou as ruas do Brasil e mesmo em outros países. Tanto é assim que a suposta comoção que tem sido demonstrada nos telejornais e programas das emissoras do Grupo, tem por objetivo cooptar, capturar o leitor e telespectador para justificar mais repressão contra a população, claro, a população pobre e negra, de preferência da zona norte da cidade.

O golpe tremeu com as manifestações de ontem, contrárias aos governos Temer, Pezao e Crivella, e também contrárias a intervenção militar, à polícia militar e a própria rede Globo. O momento não é de se deixar levar pela narrativa emocional de Globo, ao contrário, o momento é de intensificar a luta, nas ruas das cidades e construir uma unidade política para derrotar os verdadeiros criminosos que oprimem o povo.

MARIELLE FRANCO. PRESENTE.


quarta-feira, 14 de março de 2018

Dia da poesia

Resultado de imagem para imagem de bico de pena para escrever

Ao chegar na biblioteca que frequento regularmente, recebi, em homenagem ao dia da poesia, esse texto:

O amor, quando se revela,
não sabe se revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Fernando Pessoa

Pessoal sempre livre